Seminário visa fortalecer a formação e a qualificação em cultura

card seminario

O desenvolvimento da cultura é o tema que vai reunir representantes de instituições de ensino e organizações sociais no Seminário de Formação e Qualificação em Cultura programado para os dias 31 de outubro e 1 de novembro no Museu de Artes da Bahia, localizado no Corredor da Vitória, em Salvador.

Promovido pela Secretaria de Cultura da Bahia, através da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult), o seminário é um momento de mobilização e intercâmbio entre universidades e organizações sociais.

Segundo o superintendente Sandro Magalhães, o seminário visa contribuir com o debate sobre o desenvolvimento da cultura a partir do estímulo e ampliação de programas, cursos e processos formativos.

“Estes processos são voltados para agentes que atuam como gestores, produtores, conselheiros ou para formação cidadã”, disse o superintendente.

O encontro terá em sua programação a apresentação de cursos realizados por organizações da sociedade civil apoiadas pelo Edital e Formação e Qualificação em Cultura (04/2016) e por universidades da Bahia.

O Seminário de Formação e Qualificação em Cultura alinha-se com as orientações do Sistema Estadual de Cultura que tem entre os seus objetivos promover a formação e a qualificação de públicos, criadores, produtores, gestores e agentes culturais.

O encontro pretende atualizar os debates sobre formação e qualificação em cultura para os setores da secretaria de Cultura, além de manter a articulação entre Secult e as instituições que trabalham no campo da formação para o campo da cultura.

Os debatedores vão apresentar os resultados dos projetos apoiados pelo Fundo de Cultura através do Edital e Formação e Qualificação em Cultura, instrumentos necessários para o cumprimento dos objetivos da política cultural do Estado da Bahia.

O seminário visa estimular o debate e a troca de experiências entre instituições que trabalham no campo da formação de agentes e gestores culturais, considerando a multiplicidade de áreas, dimensões, manifestações e aspectos.

Anúncios

Projeto Saberes de Mestres termina com encontro de artesãos em Euclides da Cunha

mestresUma homenagem a mestre Zé Valdo, falecido em setembro, vai marcar o encontro de conclusão do projeto Saberes de Mestres, no próximo dia 6 de outubro, sexta-feira, às 9h, na Casa da Cultura de Euclides da Cunha, na região central do Estado. Na imagem acima, vê-se Zé Valdo, à direita, com seu amigo, o mestre Zé de Rita, em uma das etapas do projeto.

O projeto Saberes de Mestres consiste na realização de ações de intercâmbio cultural entre as comunidades artesanais do Polo e especialistas em produção artesanal com fibra do licuri e madeira de umburana. Durante o projeto, os mestres tiveram a oportunidade de disseminar suas técnicas e aprimorar a prática entre os artesãos da região possibilitando seu desenvolvimento cultural.

O encontro aumenta de importância, do ponto de vista dos valores humanitários, devido à homenagem póstuma prestada ao Mestre José Valdo Rosa, mais conhecido por Zé Valdo, muito querido por todos nas comunidades alcançadas pelo projeto. O fim da vida do mestre que vinha repassando seus conhecimentos coincidiu, assim, com a finalização do projeto financiado pelo Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, com parceria das Secretarias da Fazenda e de Cultura da Bahia (SecultBA).

Durante o encontro, será realizado um balanço das ações do projeto, desenvolvidas desde fevereiro, com a participação de comunidades artesanais situadas no Polo da Palha do Licuri, localizado na região. O pólo é formado por três associações, entre as quais a Associação de Artesãos de Santa Brigida, da comunidade de Morada Velha e a Associação de Artesãos de Lear do Chuquê, da comunidade do Chuquê, em Jeremoabo. Também integra o Polo da Palha do Licuri, a Associação de Artesãos de Lear de Serra Branca, da comunidade de Serra Branca, no município de Euclides da Cunha, onde será realizado o último encontro do projeto. O compartilhamento dos saberes tinha como principais mestres artesãos, Zé Valdo e Zé de Rita. Os conhecimentos ancestrais foram repassados para os participantes do Projeto Saberes de Mestre.

Dentro da estrutura da SecultBA, o Projeto Saberes de Mestres contou com apoio da equipe de trabalho da Diretoria de Territorialização da Cultura (DTC), subordinada à Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult). Saberes de Mestres é uma produção da Associação Movimento João de Barro, em parceria com a Overbrand Designers Associados e foi selecionado no edital Territórios Culturais 2016, promovido pela SecultBA.

Para Frank Lorens, coordenador do projeto, “o principal objetivo do projeto foi preservar e valorizar a cultura tradicional do artesanato do Polo da Palha do Licuri,  através da disseminação dos saberes dos grandes mestres da região”. Segundo o coordenador, o projeto Saberes de Mestres permitiu descobrir talentos e ao mesmo tempo aprimorar a técnica entre os artesãos já experientes, de forma a torná-los mais competitivos no mercado local, nacional e internacional.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. 

Serviço:

Encontro final do projeto SABERES DE MESTRES Data: 06.10.17 (sexta-feira) 
Local: Casa da Cultura de Euclides da Cunha – Av. Ruy Barbosa, s/n, Centro, Euclides da Cunha, BA
Horário: 09h
Realização: Associação Movimento João de Barro / MJB
Parceria técnica: Overbrand Designers Associados
Apoio institucional: Casa da Cultura de Euclides da Cunha, Prefeitura Municipal de Euclides da Cunha e SEBRAE-BA.
Apoio financeiro: Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.
Contato: Tatti Carvalho Produção e Comunicação 71 9.989.5404 – tatticarvalho@gmail.com

saberes

Arany Santana se torna a primeira mulher a assumir a Secretaria de Cultura

PosseArany_FotoRosildaCruzAutoridades, gestores, artistas, agentes culturais e militantes estiveram entre as centenas de pessoas presentes na tarde desta segunda-feira (02), no Salão de Atos da Governadoria, para dar as boas vindas à nova Secretária de Cultura da Bahia, Arany Santana. Recebida com calorosos aplausos, a primeira mulher a assumir a pasta tomou posse do cargo em cerimônia celebrada pelo Governador do Estado, Rui Costa.

 

“Continuamos escrevendo história, com a primeira mulher a assumir a Secretaria de Cultura da Bahia. E uma mulher negra. Eu tenho certeza que Arany, com a sua sensibilidade, alma, coração e ligação com o povo, terá muita energia pra gente continuar trabalhando e edificando os pilares da nossa cultura, que é algo estruturante na vida humana e, sobretudo, para os baianos”, declarou Rui.Arany assume a pasta após Jorge Portugal ter entregue o cargo na última quinta-feira (28). O ex-secretário participou da cerimônia para abraçar e desejar sucesso à nova gestora.

A secretária de cultura na oportunidade reiterou o seu compromisso com a comunidade do setor e em contemplar e assegurar a cidadania cultural através da agregação de nomes das mais diversas linguagens, atividades e vertentes. “É preciso fazer saber como a Secult é importante e o quanto ela faz. Minha expectativa é de poder garantir os direitos culturais da mesma forma que garantir os direitos humanos fundamentais. Ampliar as parcerias entre os vários órgãos. Reconhecer e valorizar as diversidades, as diferenças, as convergências e as confluências da cultura da Bahia”, afirmou Arany. 

Ex-diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (2011-2017), unidade da SecultBA, Arany Santana possui um histórico atrelado à cultura e militância étnica que resiste há anos. Ela é ex-diretora do Ilê Aiyê, mais antigo movimento negro do Brasil; e co-fundadora do Movimento Negro Contra a Discriminação Racial (hoje Movimento Negro Unificado). Como educadora, tem uma trajetória voltada para a alfabetização de adultos iletrados, a arte-educação e o ensino de cultura africana. Também atriz, participou de filmes como A Idade da Terra, de Glauber Rocha, O Jardim das Folhas Sagradas, de Póla Ribeiro, e Capitães da Areia, de Cecília Amado. Na gestão pública, foi a primeira secretária municipal da Reparação, no ano de 2003, e esteve à frente da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza do Estado da Bahia, em 2010. Confira o perfil completo da secretária.

Aqui, você pode ver imagens da posse da nova secretária de Cultura

Teatro Popular de Ilhéus apresenta espetáculo em Escola Cultural de Itabuna

Teodorico-Majestade-foto-Karoline-Vital-1

 

O grupo Teatro Popular de Ilhéus (TPI) apresenta o espetáculo ‘Teodorico Majestade – As últimas horas de um prefeito’, neste sábado (23), às 16h30min, no Colégio Modelo Luis Eduardo Magalhães, em Itabuna no Sul do Estado. A entrada é gratuita. A apresentação visa promover o projeto Escolas Culturais, desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio das secretarias de Educação, de Justiça e de Cultura, através da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult).

Em Teodorico Majestade, uma sátira política em linguagem de cordel, um prefeito beberrão e corrupto da fictícia cidade de Ilha Bela, está prestes a ser expulso do cargo pela população. Na tentativa de se livrar das acusações, o prefeito negocia sua permanência no cargo. O conteúdo inusitado das conversas vem garantindo o riso da platéia desde o lançamento do espetáculo há 10 anos.

A montagem já foi encenada em diversas cidades da Bahia, incluindo Salvador, além de outras capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Maceió. Mais que distrair as pessoas com as situações divertidas envolvendo o prefeito, o espetáculo pode estimular o pensamento sobre a necessidade de tornar este tipo de político uma exceção e não a regra no país.

Escolas Culturais – A proposta entende a escola como centro de formação social, cultural e profissional e se propõe a fortalecer valores de cidadania a fim de proteger crianças e jovens dos efeitos da violência, da desinformação e, principalmente, da falta de perspectivas de vida. O projeto Escolas Culturais utiliza-se das mais diversas linguagens artísticas para estabelecer contato com cada um dos estudantes das escolas públicas da rede estadual. Para viabilizar o projeto, está em curso a elaboração de um aditivo do contrato de gestão entre o IASPM, instituto responsável pela gestão da orquestra infanto-juvenil Neojibá, e a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social.

O Teatro Popular de Ilhéus é apoiado financeiramente pelo Programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). As atividades do grupo e do espaço cultural que administra (Tenda) podem ser conferidas no site http://www.teatropopulardeilheus.com.br.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: http://www.cultura.ba.gov.br

Serviço

Grupo Teatro Popular de Ilhéus
Teodorico Majestade – As últimas horas de um prefeito
Quando:
 sábado, 23 de setembro, 16h30
Local: Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães – Itabuna
Ingresso: gratuito

Jorge Portugal e Roberto Mendes levam o Violão e a Palavra para Escola Cultural de Itabuna

O secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal, apresenta com o cantor e compositor Roberto Mendes o projeto ‘O violão e a palavra’, neste sábado, dia 16, às 19 horas, no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, em Itabuna. A apresentação faz parte do projeto Escolas Culturais, desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio das secretarias de Educação, de Cultura e de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social.

A música e a palavra estarão juntas no encontro em que o violão se une à poesia para mostrar a força da arte e da comunicação. A ‘palavra cantada’ mistura recital com músicas provocando o processo criativo dos dois artistas baianos. O acesso ao público de Itabuna será gratuito. O projeto tem como objetivo reunir pessoas que apreciam uma conversa animada. Os temas têm como guia a relação da palavra com a música.

Além de cantor e compositor, Roberto Mendes também é pesquisador de chula e samba de roda do Recôncavo. Jorge Portugal, secretário de Cultura do Estado, professor de português e literatura, também é reconhecido por seu talento para a poesia.

A expectativa é de um encontro de cultura e arte para quem curte literatura e música. Um espetáculo de gênero híbrido, que pode variar entre o debate e a aula-show, a depender do efeito do encontro de Mendes e Portugal com o público. O projeto pode contribuir para reduzir os efeitos das dificuldades de leitura e interpretação de textos. O objetivo é sensibilizar o público em geral e a população jovem para a importância do bom texto na formação do cidadão.

O “Violão e a Palavra” está bem de acordo com os princípios do projeto ‘Escolas Culturais’, cuja finalidade é fomentar ações que promovam experiências em cultura dentro das unidades da rede pública de ensino. A proposta entende a escola como centro de formação social, cultural e profissional e se propõe a fortalecer valores de cidadania a fim de proteger crianças e jovens dos efeitos da violência, da desinformação e, principalmente, da falta de perspectivas de vida.

Escolas Culturais – o projeto Escolas Culturais tem a proposta de fortalecer e dinamizar as escolas, por meio da cultura, em benefício da comunidade. O lançamento aconteceu no dia 27 de julho, em Itabuna, e foi marcado por uma grande festa, realizada no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, a primeira unidade de ensino a receber a iniciativa, que chegará, inicialmente, a 85 escolas, localizadas em 85 municípios de todos os Territórios de Identidade. As Escolas Culturais vão oferecer atividades nas áreas de dança, arte literária, música e audiovisual. O projeto é uma iniciativa do Governo do Estado, através das secretarias estaduais da Educação (SEC), de Cultura (SecultBA), de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS).

Projeto Escolas Culturais Apresenta: O Violão e a Palavra
Quando: 
16 de setembro, sábado, 19h
Local: Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, Itabuna – BA
Gratuito

 

niverbiblio

Projeto apoiado pelo Fundo de Cultura amplia formação de gestores na Costa do Descobrimento

maeterra

 

 

Economia Criativa e Empreendedorismo Cultural é o tema do curso do Projeto Cultura Nativa, realizado neste mês de setembro, com o objetivo de fortalecer a formação de gestores e agentes culturais no Extremo-Sul do Estado. Promovido pelo Instituto Mãe Terra, o curso conta com apoio financeiro da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, através do Edital de Formação e Qualificação em Cultura, com recursos do Fundo de Cultura.

Aprimorar as técnicas de gestão e produção nos municípios localizados no Território de Identidade Costa do Descobrimento é o objetivo da formação de gestores culturais locais. O Instituto Mãe Terra já havia promovido cursos em elaboração e financiamento de projetos; gestão e produção cultural; gestão orçamentária, econômica e financeira; e diálogo, comunicação e marketing.

O trabalho visa fortalecer a capacitação de gestores públicos de cultura e agentes culturais da sociedade civil com reconhecida atuação na área cultural. A prioridade é atendimento a Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália e Belmonte.

A gestora Roselene Costa Bezerra, aluna de elaboração de projetos, considerou o curso um “motivador de conhecimentos” que segundo ela, “nunca havia imaginado adquirir”. Outros participantes do curso destacaram a importância do curso para o campo da produção e da gestão cultural.

Segundo o gestor do Instituto Mãe Terra, Altemar Felberg, o objetivo do trabalho é promover o desenvolvimento cultural de comunidades rurais, periféricas e tradicionais.

A Mãe Terra tem se firmado como referência em elaboração, gestão, monitoramento e avaliação de programas. “Trabalhamos na perspectiva do empoderamento comunitário e formação para autonomia”, disse Altemar.

Mais informações sobre o trabalho desenvolvido pelo Projeto Cultura Nativa podem ser obtidos nos sites www.materra.org.br e  https://www.facebook.com/pg/maeterra.org.br

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

Projeto de cultura apoiado pelo Governo da Bahia chega a Maraú nesta quinta-feira (14)

card maraives

 

Projeto itinerante de cultura financiado pelo Governo da Bahia favorece a população de Maraú, na próxima quinta-feira (14), por meio de oficinas, intervenções artísticas e diálogo com a comunidade, no Colégio Municipal Dr. Antenor Lemos, das 9h30 às 16 horas. Realizado pelo Fórum de Agentes, Empreendedores e Gestores Culturais do Território Litoral Sul (FAEG-Sul), o evento terá como ponto alto apresentações da Sociedade Filarmônica Lira da Conceição, das crianças do Serviço de Convivência e Vínculos com Puxada de Rede, Capoeira, Maculelê e Dança Afro e também do grupo de dança do professor Eilson Feire.

A programação segue com diálogo entre o presidente do fórum, Victor de Aziz e a comunidade, além das participações de autoridades municipais e de parceiros institucionais do projeto. Após intervalo para almoço, serão realizadas as oficinas de Patrimônio Cultural e de Teatro – Trilhando Artes, na mesma escola, ambas limitadas em 30 vagas. As inscrições já estão abertas na Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes e pela internet, via link http://faegsul.com/oficinas/

O projeto conta com apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, (Edital Nº 24/Territórios Culturais), por meio do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia. Já passou por Itapé, Santa Luzia, Itapitanga, Mascote, Almadina e São José da Vitória. Segue para Maraú (14 de setembro), Pau Brasil (19 de outubro), Jussari (9 de novembro) e Itaju do Colônia (14 de dezembro).

Oficinas – A oficina de teatro será ministrada pela atriz e produtora cultural Eva Lima, que tem experiência de 30 anos na área artística. Ela já trabalhou em 50 espetáculos de teatro e 28 filmes nacionais e estrangeiros, participou da novela Renascer (Rede Globo), foi instrutora técnica da Fundação Cultural do Estado da Bahia no Projeto Chapeu de Palha, coordenou importantes festivais culturais no estado. Participou da criação dos colegiados setoriais das artes da Bahia, com destaque nas eleições para o teatro. Foi assessora de Marketing Cultural da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC) e administradora do Teatro Zélia Lessa em Itabuna. Atualmente, é presidente da Associação Amigos do Teatro (ACATE) e membro da Academia Grapiúna de Letras (AGRAL).

e
Foto: Alex Santos

A oficina de patrimônio cultural será conduzida por Maria Helena Tavares, curadora do Memorial Misael Tavares, membro do Colegiado Setorial de Cultura da Bahia e presidente da Rede de Museus e Pontos de Memórias do Litoral Sul da Bahia e Maria Aurea de Souza, vice-presidente do FAEG-Sul, membro da Rede de Museus do Território Litoral Sul da Bahia, Comissão Estadual dos Pontos de Cultura, Colegiado de Espaços Culturais da Bahia e do Ponto de Cultura da Fundação Movimento de Corais Canto da Artes em Itapetinga. Maria Helena é licenciada em Educação Artística, Artes Cênicas e Serviço Social; acadêmica do curso de Direito e pós-graduada em Prática do Ensino da Arte e em Metodologia para Educação Profissional. Maria Áurea é licenciada em Pedagogia pela Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna – FESPI, pós-graduada em Metodologia do Ensino Superior e em Supervisão Escolar.

O FAEG-Sul é um espaço para discussão de Políticas Públicas de Cultura, formado por instituições públicas e privadas, produtores e grupos independentes voltados às questões específicas de interesse do setor. Discute e age em torno das questões relativas à formação para as políticas e gestão cultural, qualificação de mão de obra técnica, financiamento, captação de recursos, trocas de experiências, trabalho em rede, parcerias e suporte às iniciativas artísticas e culturais do Território Litoral Sul.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

Serviço:

Projeto FAEG-Sul Itinerante 2017.
Data: 14 de setembro de 2017 –  9h30 às 16 horas.
Local: Colégio Municipal Dr. Antenor Lemos –  Tv. Ayres Costa, s/n.
Entrada gratuita.

SecultBA participa de lançamento do manifesto Quero Cultura durante reunião de dirigentes em Brasília

dirigentesesecdecultura298A SecultBA esteve presente nos dias 28 e 29 de agosto no Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados, que se reuniu na capital, Brasília, para discutir os rumos da cultura do país. Durante o evento, também foi reunido pela primeira vez o Fórum dos Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados. O manifesto “Quero Cultura”, que propõe uma campanha de mobilização e traz nove pontos defendidos pelos fóruns, foi lançado na ocasião e entregue ao Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Entre os pontos defendidos, estão a integralidade do Ministério da Cultura e o fortalecimento do diálogo do MinC com a sociedade e os fóruns nacionais de dirigentes de cultura; o fortalecimento do perfil técnico do MinC e a valorização dos servidores de carreira; a regulamentação do Sistema Nacional de Cultura; e os cumprimentos contratuais dos objetos firmados em torno dos convênios entre o MinC e os órgãos gestores de cultura no âmbito estadual e municipal. “A Bahia mantém, com muitos esforços, os principais programas de cultura em contínua atividade, exemplo disso são os Pontos de Cultura, que aqui, temos novas 126 instituições conveniadas”, destaca o superintendente de desenvolvimento territorial da cultura da Bahia, Sandro Magalhães, representante da SecultBA no evento.

“A Cultura tem papel central no desenvolvimento do País e não pode ser política secundária e complementar”, traz o manifesto assinado pelo Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados e o Fórum dos Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados, que defendem o fortalecimento das políticas culturais e do Ministério da Cultura (MinC). “Os dirigentes de cultura dos estados dos principais municípios brasileiros estão unidos para defender as políticas públicas de cultura. Não podemos deixar que MINC seja fragilizado”, declara Sandro Magalhães.

O evento discutiu a retomada dos convênios do MinC com estados e municípios, o fortalecimento de programas como o Cultura Viva e os Pontos de Cultura, além da campanha a ser lançada nos próximos meses, com culminância em 5 de novembro, Dia Nacional da Cultura, com uma mensagem de defesa em torno da política cultural brasileira. A ação tem o objetivo de envolver todos os municípios e ressaltar o papel estratégico da cultura para o desenvolvimento. “Escrevemos um manifesto não apenas para ser entregue ao Ministério da Cultura, mas sim um documento para a sociedade brasileira, sobretudo para as pessoas do campo artístico e cultural”, ressaltou o presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados, Fabiano dos Santos Piúba, também secretário da Cultura do Estado do Ceará.

Outros pontos do manifesto são a consolidação das políticas de produção regionalizada de conteúdo artístico; a renovação da Lei do Audiovisual; a criação de legislação nacional alternativa à Lei 8666/1993, para promover a desburocratização dos processos de contratações artísticas e serviços culturais; o apoio ao uso das inovações trazidas pela legislação do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC – Lei 13019 de 2014) na gestão pública cultural; e o apoio ao uso das inovações trazidas pela legislação do Programa Cultura Viva.

*Com informações da Secretaria de Cultura do Ceará*A SecultBA esteve presente nos dias 28 e 29 de agosto no Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados, que se reuniu na capital, Brasília, para discutir os rumos da cultura do país. Durante o evento, também foi reunido pela primeira vez o Fórum dos Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados. O manifesto “Quero Cultura”, que propõe uma campanha de mobilização e traz nove pontos defendidos pelos fóruns, foi lançado na ocasião e entregue ao Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Entre os pontos defendidos, estão a integralidade do Ministério da Cultura e o fortalecimento do diálogo do MinC com a sociedade e os fóruns nacionais de dirigentes de cultura; o fortalecimento do perfil técnico do MinC e a valorização dos servidores de carreira; a regulamentação do Sistema Nacional de Cultura; e os cumprimentos contratuais dos objetos firmados em torno dos convênios entre o MinC e os órgãos gestores de cultura no âmbito estadual e municipal. “A Bahia mantém, com muitos esforços, os principais programas de cultura em contínua atividade, exemplo disso são os Pontos de Cultura, que aqui, temos novas 126 instituições conveniadas”, destaca o superintendente de desenvolvimento territorial da cultura da Bahia, Sandro Magalhães, representante da SecultBA no evento.

“A Cultura tem papel central no desenvolvimento do País e não pode ser política secundária e complementar”, traz o manifesto assinado pelo Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados e o Fórum dos Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados, que defendem o fortalecimento das políticas culturais e do Ministério da Cultura (MinC). “Os dirigentes de cultura dos estados dos principais municípios brasileiros estão unidos para defender as políticas públicas de cultura. Não podemos deixar que MINC seja fragilizado”, declara Sandro Magalhães.

O evento discutiu a retomada dos convênios do MinC com estados e municípios, o fortalecimento de programas como o Cultura Viva e os Pontos de Cultura, além da campanha a ser lançada nos próximos meses, com culminância em 5 de novembro, Dia Nacional da Cultura, com uma mensagem de defesa em torno da política cultural brasileira. A ação tem o objetivo de envolver todos os municípios e ressaltar o papel estratégico da cultura para o desenvolvimento. “Escrevemos um manifesto não apenas para ser entregue ao Ministério da Cultura, mas sim um documento para a sociedade brasileira, sobretudo para as pessoas do campo artístico e cultural”, ressaltou o presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados, Fabiano dos Santos Piúba, também secretário da Cultura do Estado do Ceará.

Outros pontos do manifesto são a consolidação das políticas de produção regionalizada de conteúdo artístico; a renovação da Lei do Audiovisual; a criação de legislação nacional alternativa à Lei 8666/1993, para promover a desburocratização dos processos de contratações artísticas e serviços culturais; o apoio ao uso das inovações trazidas pela legislação do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC – Lei 13019 de 2014) na gestão pública cultural; e o apoio ao uso das inovações trazidas pela legislação do Programa Cultura Viva.

*Com informações da Secretaria de Cultura do Ceará*

Festival da Canção abre inscrições para músicos de Irecê e 20 cidades vizinhas

festcantiEstão abertas até 30 de setembro as inscrições para o Festival da Canção do Território de Irecê, o FestCanti, programado para os dias 17 e 18 de novembro, com o objetivo de valorizar a música popular e contribuir para o fortalecimento da cultura musical. Basta que o concorrente envie para o e-mail festcanti@gmail.com a ficha de inscrição, a cópia da letra e a gravação da música em formato mp3.

O Festival da Canção do Território de Irecê é um dos projetos contemplados no Edital Territórios Culturais, proposto pela Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA), através da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult), com recursos do Fundo de Cultura.

Segundo seus organizadores, o festival visa também criar espaços para intercâmbios, trocas e divulgação de músicos e compositores do Território de Irecê, localizado na região central do Estado. Podem concorrer moradores que estejam há pelo menos dois anos nos municípios de Irecê América Dourada, Barra do Mendes, Barro Alto, Uibaí, Cafarnaum, Canarana, Central, Gentio do Ouro, Ibipeba, Ibititá, Ipupiara, Irecê, Itaguaçu e João Dourado.

Também são esperadas no FestCanti, inscrições de outros municípios que integram o Território de Irecê, como Jussara, Lapão, Mulungu do Morro, Presidente Dutra, São Gabriel e Xique-Xique. Cada concorrente poderá inscrever até duas músicas, classificando uma delas. A canção terá duração máxima de cinco minutos e não poderá ter sido gravada comercialmente antes de sua apresentação. A fase eliminatória terá 20 composições e acontecerá no dia 17 de novembro. Para a grande final, no dia seguinte, serão classificadas 10 músicas. As duas fases serão realizadas na Praça Largo da Pátria, no município de São Gabriel.

Os concorrentes do Festival da Canção do Território de Irecê terão à disposição, aparelhagem de som completa: os instrumentos e músicos arranjadores ficarão por conta dos participantes. O primeiro ao décimo lugares terão premiação de R$ 1,5 mil, cada. A ficha de inscrição e mais informações estão disponíveis no site https://festcanti.wixsite.com/festcanti.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.